segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Memórias de uma viagem à India

Em tempos idos Vasco da Gama descobriu o caminho marítimo para a Índia e também nós descobrimos a Índia, isto é, um pedacinho da Índia , mas fomos de avião!
Ficamos encantados com o clima , com as pessoas  e com a história do país de marajás, reis e rainhas, concubinas, gente feliz e menos feliz com invasões de outros povos, colonização. Aprendemos muito com as suas crenças e religiões, hindus, muçulmanos e poucos cristãos.
Gostamos das cores das roupas, do picante saboroso das comidas e dos olhos escuros das crianças, da amabilidade sem fim das suas gentes que tão bem nos receberam.
Os animais , todos os animais, são sagrados para os hindus e vimos muitas vacas, cabras, camelos, macacos, cobras ,elefantes mas tivemos algumas dificuldades em encontrar abelhas!
Mas conseguimos!
Este é um enxame encontrado na natureza!
 
Mas a nossa pesquisa não ficou por aqui e conseguimos encontrar no caminho alguns apíarios.
 
 

 
E conseguimos falar com um apicultor que nos recebeu com um sorriso.
 
 
 
 Ficamos encantados com o carinho com que levantou alguns quadros das suas colmeias que nos pareceram muito simples, rudimentares. Quadros toscos feitos por si , colmeias sem reguas e com panos de serapilheira que serviam de tampos de agasalho.
As abelhas calmas deixavam-se tocar e até nos pareceram timidas.
 
Perguntamos sobre a flora e falou-nos que as abelhas produziam o mel das flores da mostarda. Já não havia mostarda e a cresta já tinha sido feita.
Provamos o mel!
 Gostamos do sabor! Muito bom!

O nosso apicultor fez questão de nos mostrar uma rainha e decididamente abriu uma colmeia e não hesitou no quadro a levantar para a vermos.


Noutro apiário que avistamos ao longe vimos os apicultores nos seus trabalhos.

 
Não é demais dizer que ficamos muito contentes com esta experiência e como não estavamos muito familiarizados com a apicultura na Índia isso levou-nos a ler e a procurar informação sobre as abelhas desse pais.
Assim ficamos a saber que as abelhas de origem asiatica são:
Apis dorsata, as  maiores de todas as abelhas produtoras de mel, constroem um único favo ao ar livre e numa mesma arvore podem ser encontardos mais de um enxame
Apis florea, são consideradas abelhas anãs, também constroem um favo vertical ao ar livre, pequeno
Apis cerana, grande capacidade de defesa contra as vespas, produzem cera e aceitam quadros de colmeia de Apis mellifera mas somente quando não há crias; quando os quadros têm crias de outras especies as Apis cerana destrõem-nos para reconstrui-los. A Apis mellifera não aceita quadros de apis cerana.
 
Ficamos tão felizes com a nossa viagem que já sonhamos com outras aventuras! 

Mas por enquantos ainda saboreamos, esta! O clima, as cores, as gentes os aromas........Tudo que tocou o nosso coração!
 
Namastê!
 
 
 
 

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Fim de Verão

Chegamos ao fim do verão cansados e felizes!
Fizemos a cresta com a tranquilidade possível num ano em que o nosso efectivo foi francamente aumentado graças aos inúmeros enxames captados.
Entusiasmados fomos pondo alças nos ninhos possíveis e sonhando em ver as alças com muito mel!
A seca e as visitas ao apiário nem sempre nos deixavam satisfeitos e o nosso humor foi oscilando ao longo do tempo entre a alegria e o desânimo.
Mas quando fizemos a cresta a nossa alegria prevaleceu e íamos sorrindo à medida que enchíamos os nossos "bidons" ou como o meu marido gosta de chamar "bombos"!
É sempre lindo ver o mel dourado escorrer do centrifugador, escorrer para os frascos , enfim , fica a cor no nosso olhar e o perfume enche-nos a alma.
 
Foi uma bela colheita, a maior que fizemos até agora! Analise feita confirmamos: Mel de Rosmaninho!

 
 
Para o fim do verão outra tarefa nos estava reservada: Apanhar as amêndoas!
 
 


De madrugada com o sol ainda sonolento, sonolenta lá acordava, posso dizer mesmo rabugenta! Mas assim que chegava ao campo espreitava as abelhas que começavam a espreguiçar as patinhas no seu ninho e espreitavam o dia, calmas muito calmas.
O meu marido varejou as amendoeiras ao seu ritmo e eu lá ia apanhando as amêndoas do chão, escondidas entre as pedras , esticando-me para as apanhar, escorregando em socalcos pisando as ervas do campo sentido o cheiro da arruda, do rosmaninho seco e  da erva doce.

 
O trabalho do campo prolongou-se em serões em casa a preparar as amêndoas apanhadas e com muita alegria apreciamos o resultado final.

 
 
 

Na horta ainda temos tomates , feijão verde, vagens, como diz o meu marido e fruta, pêssegos, maças, pêras, uvas, figos.
No meio da colheita da amêndoa ainda houve necessidade de dedicarmos tempo as abelhas. desta vez na divisão de tarefas foi o meu marido que mais tempo lhes dedicou,Assim foi feito o tratamento profilático para a Varroa, alimentadas as meninas que mais precisavam e fez a vigilância das alças arrumadas no armazém.
O meu marido teve também a tarefa ingrata de tratar, eliminar, os "morcões " da traça e apesar da falta de sol ainda consegui derreter cera no  cerificador solar feito por si há algum tempo.
E pronto o verão chegou ao fim!
Já estou com saudades mas esta pausa é fundamental para novamente a natureza renascer na primavera!
È tempo de descanso, de balanço e pensar no futuro num tempo que vivemos de dúvidas e incertezas!
Mas estamos Graças a Deus cheios de força e energia!
Só não gosto mesmo do frio!
 


terça-feira, 31 de julho de 2012

Nem só de abelhas ......

Andei nestes dia de máquina fotografica " em punho" e andei a fotografar coisas do quintal que gostamos de ver florir, crescer e comer!












E o meu marido apanhou uma abelha na aveleira! Engraçado este ano vimos muitas abelhas de volta da aveleira!

segunda-feira, 28 de maio de 2012

A Flor da Silva

Este fim de semana dei mais atenção à flor das silvas que observei aqui e ali espalhadas pelo campo!

Foram tantos os enxames!

Estava tudo bem encaminhado para prevenir a enxameação mas afinal as abelhas é que mandam!
Foram tantos os exames que perdemos a conta!



segunda-feira, 23 de abril de 2012

A minha aventura

No nosso apiário há muito tempo que uma rainha se passeia numa colmeia acompanhada de meia dúzia de abelhas, para aí 50 segundo as contas do meu marido!
Não "ata nem desata"! nada de postura que se veja e este fim se semana, mais eu que o meu marido resolvemos intervir!
O tempo não ajuda, mas a temperatura que  estava no principio da tarde, amena, e o movimento das colmeias era bonito de se ver assim como o zum zum das meninas e seus voos rasantes à nossa volta entusiasmaram-me!
Pensamos que a  causa da pouca actividade da rainha, de aparência jeitosa era a pobreza de  abelhas,
falta de amas.
Olhamos à volta e decidimos abrir 2 colmeias fortes. De cada uma escolhemos um quadro com cria a nascer, sacudimos as abelhas  e colocamos na colmeia.  Fiz, fizemos também uma troca de linha. E agora , o que vai acontecer?
A rainha sobrevive ou vai haver uma guerra?
Sacudimos as abelhas dos quadros mas mesmo assim vão algumas e com a troca de linha temos abelhas de 3 colmeias! Enfim quem não arrisca não petisca...... e para o bem e para o mal ....acho que esta na altura de eu fazer as minhas experiências!
Conto com o apoio do meu marido e com o seu sorriso , ajudou-me na maluqueira!
Agora é esperar e confiar!





terça-feira, 20 de março de 2012

Primavera

É Primavera!
A chuva não tem aparecido mas mesmo assim timidamente as flores vão  aparecendo!
O trabalho no campo, no apiário, está em marcha! Vamos colocando alças e fazemos desdobramentos! Será que esta colmeia é para desdobrar? Será que colocamos alça? Rezamos e confiamos que o nosso trabalho dê fruto!  







A Picada da Abelha - Segurança no Apiário

É sempre com alegria que visitamos Macedo de Cavaleiros e visitamos amigos, trocamos ideias , partilhamos experiências, rimos, tiramos muitas fotos, comemos bem! Enfim coisas boas e divertidas!
Recentemente o motivo de encontro foi a Apiocasião e a inauguração do Museu do Mel.
Simpaticamente fui convidada pela organização, Macmel, a falar sobre a picada da abelha na perspectiva da segurança no apiário.
Fica aqui um resumo da minha comunicação feita nesse encontro, Apiocasião 2012, no dia 3 de Março.



A Picada Da Abelha

Segurança no Apiário
 

1-     Anatomia da Abelha

Cabeça

Na cabeça estão localizados os olhos, simples e compostos, as antenas, o aparelho bucal.
Os olhos compostos, grandes, na parte lateral da cabeça são responsáveis pela percepção da luz cor e movimentos.

Os olhos simples ou ocelos são estruturas menores formam um triângulo na região frontal da cabeça, não formam imagens, detectam a intensidade luminosa.

As antenas, 2, na parte frontal e mediana da cabeça são responsáveis pelo olfacto, tacto e audição.

As cavidades olfactivas são em maior número nos zângãos que têm de perceber o odor da rainha durante o voo nupcial.
Os pelos sensoriais na cabeça são úteis para percepção das correntes de ar e proteger contra as poeiras e agua.

O aparelho bucal é constituído por 2 mandíbulas e língua.
As mandíbulas cortam e manipulam a cera, própolis e pólen; alimentam as larvas, limpam os favos; retiram abelhas mortas do interior da colmeia e defendem-na.

A língua, flexível, coberta de pelos utilizados na colecta e transferência de alimentos, desidratação do néctar, evaporação da água, controlo da temperatura da colmeia.
No interior da cabeça:

Glândulas hipofaringeas, salivares e mandibulares responsáveis pela produção de geleia real, processamento de alimentos e feromona


Tórax

No tórax localizam-se os órgãos locomotores: as pernas e as asas.
Os pêlos que possuem importante função na fixação dos grãos de pólen quando as abelhas entram em contacto com as flores

3 Pares de pernas; as posteriores das operárias são adaptadas para o transporte de pólen e resinas; auxiliam na manipulação da cera própolis; limpeza das antenas, das asas e do corpo e no agrupamento das abelhas quando formam “ cacho”

2 Pares de asas de estrutura membranosa que possibilitam a velocidade média de 24 km / h

Espiraculos que são responsáveis pelos órgãos da respiração, esófago e glândulas salivares envolvidas no processamento dos alimentos

Abdómen

Constituído por segmentos unidos por membranas flexíveis que facilitam o movimento do abdómen

Localizam-se os órgãos do aparelho digestivo e também as glândulas produtoras de cera. A cera secretada pelas glândulas solidifica-se em contacto com o ar formando escamas ou placas que são retiradas e manipuladas para a construção dos favos com o auxílio das pernas e das mandíbulas.

No final do abdómen está o órgão de defesa das abelhas: O Ferrão que é constituído por um estilete usado na perfuração e 2 lancetas que possuem farpas que prendem o ferrão e dificultam a retirada do mesmo.

O ferrão está ligado a uma pequena bolsa onde o veneno fica armazenado. Estas estruturas são movidas por músculos que auxiliam na introdução do ferrão e injecção do veneno. As contrações musculares da bolsa do veneno permitem que o veneno continue sendo injectado mesmo depois da retirada da abelha.

Quando a abelha pica normalmente injecta cerca de 0,15 a 0,30 mg de veneno e quando pica perde o ferrão, o saco do veneno, músculos, nervos e intestino. A perda de tão considerável parte do seu corpo é-lhe  fatal.

2-Composição química do veneno da abelha

 A apitoxina mais frequentemente conhecida por veneno da abelha é uma substância produzida por uma glândula de secreção acida e outra alcalina. Solidifica à temperatura ambiente, tem uma cor branca ou muito levemente amarelada.

88%  é agua e tem pelo menos 18 componentes farmacológicos; enzimas, peptídeos e aminas

Os mais activos são a histamina, melitina e enzimas como a hialuronidase e fosfolipase


Efeitos do veneno da abelha

O veneno da abelha é responsável por 3 efeitos específicos no organismo:

Neurotóxico – actua no sistema nervoso central

Hemorrágico – aumenta a permeabilidade dos capilares sanguíneos

Hemolítico destruição dos glóbulos vermelhos

Os efeitos da picada da abelha não são os mesmos em todas as pessoas. Umas pessoas resistem a muitas picadas e outras não.

A maioria das vezes uma picada provoca apenas reacções locais enquanto em outras pessoas o efeito é sistémico, em todo o corpo.

Algumas pessoas podem ficar hipersensíveis com efeitos progressivos depois de algumas picadas, outras nascem já com hipersensibilidade aumentada.

Os efeitos para o homem costumam manifestar-se da seguinte maneira:

·         - dor forte durante 2-3 min dependendo do local da picada e número de abelhas que picaram

·         - edema local mais ou menos acentuado consoante o local da picada, pele, mucosas

·         - Eritema, comichão, aumento da temperatura local

·         Reacções mais graves: falta de ar e dificuldade em respirar, mau funcionamento do coração


Desde sempre se conhece o poder do veneno da abelha

Cleópatra usava o veneno da abelha para eliminar os seus inimigos

E a sabedoria popular foi ao longo dos anos tentando solucionar os efeitos nocivos da picada da abelha

É grande a lista de mezinhas que chegaram até hoje ao nosso conhecimento variando por vezes com as diferentes regiões do nosso país

Enumerando algumas

·         - Uma moeda colocada sobre a picada

·         -colocar amónia

·         -esfregar alho

·         -cebola

·         - Folhas de tanchagem

·         - barro húmido/lama

·         - faca na zona da picada

·         - folha de cacto aloé

·         - azeite

·         - gelo/agua

·         - urina

·         - álcool

·         - vinagre

·         - fé


Não pondo de lado a crença popular estes são os procedimentos a ter

- Não mexa nas abelhas se não forem apicultores e não tiverem conhecimento da biologia das abelhas para não contrariar a organização das abelhas

- Vestuário adequado

- Fumigador

-Não mexa nas abelhas em dias chuvosos, a colmeia está mais populosa, as abelhas mais agressivas

- Vestuário limpo e sem cheiros

- Evite esmagar abelhas, o cheiro do veneno espalha-se entre as demais

- O ataque de abelhas apenas começa após a motivação ao instinto de defesa por isso evite molestar as abelhas, evite ruídos, vibrações, choques, aproximação de veículos próximo das colmeias

- Use vestuário de cor branca e de origem vegetal; o tecido de lã é desagradável para as abelhas

- Quando abrir uma colmeia evite respirar em cima das abelhas; o hálito irrita as abelhas

- as abelhas detectam facilmente objectos em movimentos por isso atacam mais no rosto, mãos e pés.

- Os cabelos também são alvo fácil devido aos óleos e perfumes


Atitude correcta no apiário


Devidamente protegido com fato adequado que cubra todo o corpo, tendo especial atenção ao rosto, mãos e pés

Atenção aos movimentos bruscos, ruídos, uso do fumigador

Atenção as colmeias com abelhas mais agressivas que devem ser manuseadas no fim

Atenção ao clima e atendendo a época estival todo o apicultor deve ter consigo água de preferência gelada



Recomendações do CIAV

1-      No caso dos sintomas se restringirem ao local da picada:



·         Remover o ferrão da pele por raspagem tangencial da pele com um cartão (por ex um cartão MB)

·         Aplicação de gelo

·         Aplicação de uma pomada à base de anti-histamínicos/analgésico/corticoide



2-      No caso de sintomatologia sistémica de que o choque anafilático constitui a expressão mais grave:



·         Adrenalina subcutânea Adulto-0,3 a 0,5 ml de solução de 1:1000;Crianças- 0,01ml/Kg até um máximo de 0,5 ml. Estas doses podem ser repetidas com intervalos de 20 a 30 minutos



·         Hidrocortisona per os



·         B-agonistas inalados ( ex: salbutamol)



·         A escolha ou a ordem dos fármacos a administrar depende da situação clínica da vítima



·         No local da picada aplicam-se os procedimentos acima referido

Outras considerações:

1-      A hipersensibilidade não é dose dependente ou seja, mesmo uma única picada pode ser suficiente para o desenvolvimento de um choque anafilático; a inversa também é verdadeira ou seja, múltiplas picadas não implicam necessariamente um choque anafilático

2-      Grandes reacções locais não determinam obrigatoriamente reações sistémicas

3-      Indivíduos que tiveram uma reação anafilática têm entre 35 a 60 % de probabilidade de nova reação anafilática em picadas subsequentes. Daí a importância dos tratamentos de dessensibilização

4-      Alerto ainda para a necessidade de em grupos de risco, como é o caso dos apicultores, ter sempre ”à mão”uma seringa pré-preparada de adrenalina


As situações de reacções alérgicas mais graves ou mesmo choque anafilático são situações de emergência médica que determinam um pedido de socorro para o número nacional de emergência 112

Fonte: CIAV e INEM




Efeitos  e aplicações terapêuticas do veneno da abelha


O veneno da abelha tem propriedades:

 Antibacterianas,

Antinflamatórias,

Anticoagulantes,

 Reforça o sistema imunitário.

Doenças osteoarticulares e reumáticas

Quimioterapia

Cientistas da Washington University de St. Louis, nos Estados Unidos, desenvolveram um método que usa veneno de abelhas para matar células cancerosas, ao mesmo tempo em que deixa células saudáveis intactas.
Os pesquisadores acoplaram a toxina melitina, presente no veneno de abelhas, a moléculas, ou nanopartículas, que batizaram de "nanoabelhas".

Depois disso, essas "nanoabelhas" foram introduzidas em ratos com tumores. As partículas então atacaram e destruíram apenas as células cancerosas, protegendo outros tecidos do poder destrutivo da melitina.

Ana Carvalho

.






 .

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Em Busca do Néctar

Estes primeiros dias de Fevereiro deviam ser para nós dias felizes, mas de há um tempo para cá trazem-nos más recordações e temos tendência para nos escaparmos, fugir para um local qualquer, enfim estarmos juntos e com pouca confusão.
Assim fizemos  e no fim de semana andamos a passear e inevitavelmente os nossos olhos procuram flores , abelhas, colmeias etc
Almoçamos algures num restaurante bem simpático e por cima das nossas cabeças , a decorar a parede um quadro de colmeia reversível que disse logo o meu marido era jeitoso para "caça-enxames".
O nosso passeio a pé pelas redondezas levou-nos a umas amendoeiras em flor e logo ouvimos o zum zum a que estamos habituados , as abelhas no seu trabalho sugando o néctar das flores não nos ligaram nada, andavam no seu labor, patinhas carregadas de polén
Logo pensamos nas nossas abelhas cheias de frio, ainda sem flores de amendoeira, nem esteva , nada!


quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Frio , Seca Severa e uma Flor

No fim de semana fizemos uma visita ao apiário.
Não gosto do frio e a vontade de andar fora de casa, ao frio é muito pouca mas há alturas em que temos de pôr de lado o prazer e em frente é o caminho!
Cheguei no fim do dia e graças a Deus e ao meu marido a casa estava quentinha!
De "madrugada" olhei lá para fora e o que vi deixou-me desanimada, tudo branco! Até o tanque tinha a agua congelada, as tangerinas nas arvore estavam duras, congeladas!
Mas tinhamos que ir ver as meninas!
Grande parte do maneio já tinha sido feito pelo meu marido e para mim ficou pouco para fazer.
No apiário tudo estava tranquilo , em silêncio.
As meninas estavam dentro das suas casinhas em repouso e praticamente não vi nenhuma abelha.
Estavam no quentinho!

Olhei à volta e  todo o campo gelado, sem vida, chão duro de gelo!
Pobres abelhinhas nada para comer! Seca, seca severa!
A Esteva atrasada, nada de flores!

Mas procurei e encontrei a primeira flor de amendoeira!
Ainda muito timida esta foi a primeira flor!
Outros botões espreitam a sua vez de desabrochar  e a esperança é que chova um bocadinho que possibilite muitas e muitas flores de amedoeiras que anunciam o arranque da primavera!




terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Calendário do Apicultor

Das leituras que vou fazendo dos livros que me chegam as mãos neste mês de Janeiro o tabalho do apicultor no apiário é :

"N´este mez ha pouco que tratar das colmeias.
O orificio da entrada, nas colmeias , deve ser reduzido ao minimo.
Se algum enxame estiver muito fraco, deve alimentar-se com mel misturado com assucar.
O alimento, n´este mez e durante todo o inverno, deve ser o mais sólido possivel. Nunca deve ser liquido"
Autor Alberto Vellozo de Araujo , 1918)

Esta é uma sugestão muito antiga! Claro que é valida para enxames fracos e invernos ditos normais, mas neste dias já se ouve falar de alças, mel, cresta....
Também nas nossas colmeias se passam coisas estranhas para o tempo de Inverno.
No nosso viveiro as nossas caixas estão muito activas e já tivemos de reorganizar e arrefecer, encontamos muito mel, muita actividade; estranho inverno! É preciso um pouco de chuva!

Da cultura das abelhas

De um livro bem pequeno que temos encontrei esta passagem que quero partilhar:

Diz o Autor Alberto Vellozo de Araujo em 1918 que as individualidades que se devem ocupar da cultura das abelhas são o Padre, o Professor e a Mulher Portugueza , as entidades que mais e melhor podem tratar da apicultura.

Sobre os Padres diz o autor: " ....em todos os paizes cultos do universo são os padres os mais estrenuos propugnadores do desenvolvimento  da cultura das abelhas; que a acompanham com mais carinho e interesse, havendo trabalhos de grande valor escriptos por illustrados sacerdotes......
..
O Professor Primário, pela  sua augusta e nobre missão, pode e deve ser um grande amigo das abelhas......

A Mulher Portugueza pode e deve tambem enriquecer o seu espirito e cultivar o seu coração na cultura na cultura das abelhas.
Que ella leia , com toda a alma, esse admiravel livro de Mauricio Maetterlinek "  A vida das abelhas"; que ella eduque a sua mentalidade no estudo da natureza, assombroso livro em cujas paginas está gravado em caracteres luminosos e eternos o nome de Deus; e teremos, em breve, em Portugal, uma legião de apicultores , como eu, amantes d´esses admiraveis insectos, de que a vida é um ensinamento constante e adorável para o homem, que as sabe vêr com os olhos da alma extasiada no culto de tudo que é grande e bello á face da terra!

Eu ainda não li o livro recomendado mas já apanhei o gosto pelas abelhas e a paixão aumenta!
Paixão partilhada com alegria pelo meu marido que não é Padre nem Professor Primário mas cumpre o seu papel de Apicultor e não para de divulgar e espalhar o gosto da Apicultura!